Criado em 1983, o Festival de Dança de Joinville é realizado todos os anos no mês de julho, em Joinville, SC. Desde 2005, é considerado o maior festival de dança do planeta em número de participantes, segundo o Guinness Book. É também o único entre os grandes festivais mundiais a reunir uma grande diversidade de gêneros, como o Balé Neoclássico, Balé Clássico de Repertório, Dança Contemporânea, Jazz, Sapateado, Danças Populares e Danças Urbanas, apresentados por escolas, grupos e companhias de dança do Brasil e do exterior.

Festival de Dança de Joinville – Foto IFDJ

Todos os anos o evento atrai centenas de interessados nas vagas de cursos, oficinas e workshops, voltados ao aperfeiçoamento técnico e artístico de estudantes, bailarinos, professores, pesquisadores e outros profissionais das áreas técnicas de produção em dança.

O Festival de Dança de Joinville contempla 12 dias de imersão no mundo da arte do corpo em movimento. Nas Mostras Competitiva e Meia Ponta o público tem contato com centenas de coreografias de Jazz, Dança Contemporânea, Danças Populares, Sapateado, Balé Neoclássico, Balé Clássico de Repertório e Danças Urbanas. Palcos instalados em ginásios, shoppings e supermercados de Joinville recebem grupos de todos esses gêneros, com apresentações gratuitas, programação esta que é conhecida como Palcos Abertos.

Festival de Dança de Joinville – Foto IFDJ

Grandes companhias do Brasil e do mundo já brilharam nos palcos de Joinville ao longo das mais de três décadas de existência do evento, a exemplo de Mikhail  Bayshnikov e Hell´s Kitchen Dance (EUA); Ballet Bolshoi (Rússia); David Parsons (EUA); Teatro Colón (Argentina); S’poart (França); Mazowske (Balé Nacional da Polônia); os Balés Municipais do Rio de Janeiro e de São Paulo; Ana Botafogo, Cecília Kerche, e Carlinhos de Jesus, entre outros. Para acomodar esta programação, o festival passou dos cinco dias da primeira edição para os atuais doze dias de evento.

A 38ª edição do Festival de Dança de 20 a 31 de julho de 2021 está sendo esperada com grande expectativa, depois do cancelamento do evento em 2020, em consequência da pandemia da covid-19. Foi o primeiro ano desde a criação do Festival que a Capital Nacional da Dança ficou sem o brilho dos palcos e a movimentação de cerca de 9 mil participantes que todos os anos vem à cidade. A próxima edição promete grandes espetáculos, e preencher a saudade de bailarinos e espectadores com o brilho e o encanto dos palcos.

Museu da Dança

Em 2020, a Capital Nacional da Dança ganhou mais um atrativo para valorizar a arte do corpo em movimento, o Museu da Dança. Construído em janeiro deste ano pela iniciativa privada, o espaço fica localizado na rua Vargeão, 79, no bairro América, ao lado do Centreventos Cau Hansen, e tem como objetivo expor as memórias e a história da cidade que possui o maior festival de dança do planeta.

O museu possui dez salas voltadas a elementos ligados à dança, como figurinos clássicos, representações dos cenários da dança, as mudanças tecnológicas no meio durante os anos e, é claro, uma sala em homenagem ao Festival de Dança de Joinville.

Festival de Dança de Joinville – Foto  IFDJ

O acervo do Museu da Dança possui peças de diversas regiões do Brasil e exterior, e contou com doações de artistas e instituições que enviaram figurinos, registros e outros elementos que compõem as exposições do local. O espaço também tem áreas interativas, um café e uma loja com produtos exclusivos.

🔥76